O abominável ataque a hospitais no oriente

Aleppo-Síria

Quarta-feira (27-04-2016), à noite, o hospital de Al Quds, dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) a leste de Aleppo, na Síria, foi duramente bombardeado.

Esse vil, infame e cruel ataque sem nenhuma justificativa técnica, estratégico ou humano, uma vez que as nações envolvidas se gabam de utilizar armamentos com precisão cirúrgica e a localização dessas unidades hospitalares são passadas a ONU, que as repassam as nações envolvidas, ceifaram a vidas de mais de 50 pessoas, entre mulheres, idosos e crianças e dentre estes o médico pediatra, o doutor Wasem Maaz que era o único que ainda clinicava na região.

O mediador da ONU nas negociações de paz para a Síria Staffan de Mistura confirmou que o bombardeio aéreo ao hospital dos Médicos Sem Fronteiras ceifou a vida do último pediatra da região e assim causando uma calamidade pública na assistência médica regional.

Hospital_destruido02
Siria: Médicos sem fronteiras denuncia novos ataques contra Hospital crédito www.argnoticias.com

O fato é que diante da gravidade do bombardeio aéreo lançado sobre o hospital da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF), ninguém assumiu a responsabilidade “do fiasco ou do sucesso da operação”. Pois devemos duvidar das boas intenções das pessoas ou dos governos em momentos de guerra. A ONU por sua vez, acusa a autoria do ataque às forças governamentais Sírias.

É certo que toda operação de guerra é planejada e que todo avião ao decolar precisar ter um plano de voo e que há inúmeros satélites vigiando dia e noite o planeta. E assim mesmo não se sabe quem bombardeou o hospital dos MSF e matou 50 civis.

Hospital_destruido03
Crédito: cnnespanol.cnn.com

Kunduz-Afeganistão

Bombardeio da força aérea americana (03-10-2016) ao Centro de Trauma da Organização Humanitária Internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Kunduz, no Afeganistão, deixou um saldo assombroso de 27 mortes e inúmeros feridos.

Dentre estes 14 profissionais e 13 pacientes perderam suas vidas neste trágico e estúpido bombardeio.

Além do número de mortes imediato, a destruição do centro de trauma de MSF com 94 leitos teve um enorme impacto no acesso a cuidados cirúrgicos de emergência para centenas de milhares de pessoas da região.

O hospital era a única instalação do tipo no noroeste do Afeganistão, com mais de 400 profissionais habilitados para oferecer cuidados cirúrgicos, pós-operatórios e de reabilitação de altíssima qualidade.

Em 2014, mais de 22 mil pacientes receberam cuidados médicos no hospital e mais de 5.900 cirurgias foram realizadas.

A equipe tratou de qualquer pessoa que necessitava de cuidados médicos, e foram comuns os atendimentos a pacientes com ferimentos decorrentes de acidentes de trânsito, explosões ou ferimentos à bala.

Assista ao vídeo abaixo e tire suas conclusões nesses episódios sórdidos em que não nenhum responsável:

Hospital_destruido04
Publicado em 29 de abr de 2016 VIDEO/CRÉDITO: Euronews PT

Lamentavelmente a guerra não tem mãe e o pai é sempre desconhecido. Os únicos a serem identificados são as vitimas os homens, as mulheres, os idosos e crianças. Em tempos de alta tecnologia, satélites vigiando e mapeando o planeta 24 horas por dia e dizer que houve um erro uma falha.  Atacar hospital!

Sinceramente…! Isso não é coisa de ser humano e sim de monstros que tem desprezo pela espécie humana.

Fonte: telemundo.com  e cnnespanol.cnn.com

%d blogueiros gostam disto: